Governança, controles internos e segurança da informação.

Como se sabe, este momento delicado exigiu a adoção de práticas diferenciadas em nossas rotinas, desde a organização de home office para os colaboradores, até a decisão quanto à manutenção ou não da produção regular e continuidade do negócio, em alguns casos. Todas estas mudanças tornaram ainda mais desafiadora a manutenção de boas práticas de governança corporativa, de controles internos e de segurança da informação.

Entretanto, são justamente as boas práticas e a consciência real e clara dos riscos existentes e potenciais que garantirão uma passagem mais segura por este momento desafiador.

Nesse sentido, Pedro Melo, Diretor Geral do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) e Fábio Coelho, Presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec), compartilharam com o Jornal Estadão cinco orientações para a manutenção da governança nas empresas neste momento de crise, quais sejam: 

  • manter os canais de comunicação abertos e eficientes; 
  • identificar os principais pontos vulneráveis para enfrentar a crise;
  • definir estratégias de relacionamento com as pessoas;
  • avaliar a capacidade de entrega de produtos e serviços; e
  • manter uma postura transparente e prestar contas das atividades da empresa.

Além das orientações expostas, é importante ter em mente que o estado de pânico, a falta de controle e a interrupção abrupta de projetos sem uma visão estratégica, apenas agravarão as consequências da crise, razão pela qual deve-se manter a racionalidade e os controles necessários para a manutenção das atividades de forma segura.

Seguindo esta linha de raciocínio, um ponto vulnerável que merece atenção especial é a segurança da informação no regime de home office. 

A prática do home office, adotada por muitos como uma solução temporária, foi inteligente, rápida e necessária. Contudo, na velocidade em que foi implementada tal medida, questione-se: os colaboradores foram treinados adequadamente para a utilização da rede, do sistema e dos arquivos da empresa em casa? Os acessos estão seguros? Os programas, aplicativos e dispositivos estão atualizados? Os colaboradores foram instruídos a não compartilhar o mesmo acesso ao computador com parentes e familiares? Os colaboradores sabem que não são recomendáveis senhas de acesso muito fracas? Eles estão utilizando computadores próprios? E, nestes casos, os computadores possuem antivírus ou sistemas de segurança? Além de outros vários pontos que devem ser observados.

Ainda, na lista de orientações a serem feitas aos colaboradores, deve ser incluída a necessidade de alertá-los sobre os e-mails de phishing – links duvidosos para acesso a websites falsos – à respeito do Covid-19, que também estão em alta, facilitando o acesso de hackers aos computadores, vazamento de informações e a contaminação dos aparelhos com vírus.

As áreas de tecnologia, em geral, estão atentas às práticas de segurança, implementando camadas adicionais de proteção, dupla checagem, acesso restrito e outras ferramentas usuais para tanto. Todavia, a orientação dos colaboradores é fundamental para que as medidas tecnológicas aplicadas sejam efetivas. Os sistemas de segurança não se limitam a softwares, é preciso que existam processos alinhados, treinamentos e orientações. Em que pese estejamos falando de um mundo cercado de tecnologia, ainda não temos uma boa “educação digital” no país.

Por certo, toda empresa possui informações que não gostaria de ver publicadas nas redes sociais ou acessadas por seus concorrentes. E mais: se vazarem informações de colaboradores, terceiros, clientes, etc. que se sintam prejudicados, estes poderão tomar as medidas que entenderem cabíveis com base na legislação já vigente, resultando em indenizações e outros prejuízos para a empresa.

Recomenda-se, portanto, que, além de orientar adequadamente os colaboradores e revisar as ferramentas de segurança, seja desenvolvido um plano de ação para o caso de incidentes como o vazamento de dados e informações da empresa (quem deve ser acionado, de que modo, por qual meio, providências imediatas a serem adotadas, etc.). Esta é uma boa prática que pode evitar maiores consequências negativas e mitigar os prejuízos.

Por fim, o olhar atento aos mecanismos de governança, controles internos e segurança da informação não pode enfraquecer diante da crise, sob pena de agravar o quadro por outros prejuízos que poderiam ser mitigados ou evitados de forma simples.

INFOMONEY. Home office traz risco de outros vírus para as empresas. Saiba se proteger. Disponível em: https://www.infomoney.com.br/mercados/covid-19-tambem-e-risco-para-empresas-em-home-office-mas-o-virus-e-outro/

Amanda Rocha Nedel

Suporte Jurídico Corporativo

Contato

Telefone:
(47) 3026-3737
(47) 99984-1208
E-mail: contato@hsr.adv.br

Whatsapp

Redes Sociais

ESCRITÓRIO JOINVILLE/SC

Rua Dr. João Colin, 662 – Centro

ESCRITÓRIO SALVADOR/BA

Avenida Tancredo Neves, 2539 – CEO Salvador Shopping Torre Londres, salas 1213/1214 – Caminho das Árvores

ESCRITÓRIO VITÓRIA/ES

Avenida Nossa Senhora dos Navegantes, 955 – Edf. Global Tower, sala 619 – Enseada do Suá

ESCRITÓRIO SANTOS/SP

Rua Oswaldo Cochrane, 240 – Unidade 41 – Embare